“O trabalho de Marina Camargo é baseado em pesquisas sobre a representação de várias coisas ou fenômenos do mundo; expondo as tensões que existem entre o mundo que nós habitamos e o mundo que nos é representado através de imagens e outros tipos de cultura material. Desenvolvendo com frequência projetos de longa duração a partir de processos de pesquisa, Camargo mais recentemente tem trabalhado com a representação de várias paisagens – como imagens, como memórias, como narrativas de viagem, como cartografias. Seus interesses enfatizam a impossibilidade de representar a realidade e lugares por completo, e através de seu trabalho ela investiga elementos perdidos, silenciados ou esquecidos no espaço entre a realidade e a representação.

O trabalho mostrado nesta exposição (“Oblivion – Alpes“), reúne uma biblioteca de memórias abandonadas em forma de cartões postais e fotografias compradas em antiquários na Alemanha. Todas as imagens originalmente representam os Alpes, e os postais incluem mensagens íntimas e registros de suas movimentações através do tempo e espaço. Pintando sobre as paisagens, Camargo então apaga os lugares enquanto simultaneamente os re-define com tinta preta. A configuração destes pensamentos e gestos são reunidos como uma constelação com organização específica, formando outra paisagem imaginária, para além da fragmentação e incompletude que define nossas habilidades de representar o mundo em que habitamos.”

{ Trecho de texto para exposição ACIREMA, curada por Cesar Garcia na galeria Honor Fraser, LA  }

 Cesar Garcia (diretor e co-fundador do The Mistake Room, Los Angeles)