América-Látex

pós-extrativismo (2020)

A cartografia da América Latina é representada com um Mapa-mole realizado em látex, que é um material flexível e elástico. A espessura fina do látex utilizado confere ao trabalho um caráter desincorporado e frágil, ainda que mantenha sua característica de elasticidade e de leveza.

Em América-Látex, as formas da geografia da América Latina aparecem como uma pele arrancada da superfície, como se fosse um mapa sem base. A percepção de uma cartografia que parece ter sido extraída de algum lugar ou substrato desconhecidos, de um desenho que parece ter tido seu corpo subtraído e deslocado.

O material com o qual o trabalho foi realizado é mencionado no título tanto pela presença quanto pela relevância histórica do látex na América Latina.

A produção do látex remete inevitavelmente à história da exploração da matéria-prima na América do Sul.
O látex (que após processamento se transforma em borracha natural) é original da América do Sul, extraído da Seringueira (Hevea Brasiliensis), nativa da Amazônia. Embora o uso da borracha remeta ao período anterior à colonização da América Latina, sua exploração sistemática só ocorreu séculos depois.

A exploração da borracha esteve na base do desenvolvimento do Brasil a partir de meados do século XIX (primeiro ciclo da borracha), entrando em declínio após as plantações no sudoeste da Ásia se estabelecerem a partir do contrabando de sementes da Amazônia para colônias da Inglaterra.

“América-Látex” | mapa-mole feito em látex | 300 x 200 cm | 2020